Entenda como a obesidade dificulta a gravidez e previna-se!

Excesso de peso é responsável por desencadear inúmeras patologias no organismo, dentre elas estão hipertensão, diabetes e problemas nas articulações

Veja porque a obesidade dificulta a gravidez. FOTO: Shutterstock
Por Michele Custódio - 21/08/2018

Veja porque a obesidade dificulta a gravidez. FOTO: Shutterstock

O impacto da obesidade nos resultados dos tratamentos Fertilização in Vitro. Esse foi o tema do estudo, realizado em Brasília, com pacientes com média de idade entre 34 e 37 anos, que se submeteram a ciclos de Fertilização in Vitro entre 2014 e 2016. No total, o estudo envolveu 567 ciclos de fertilização in vitro. O objetivo foi avaliar a influência do Índice de Massa Corpórea (IMC) nos resultados da Fertilização in Vitro (FIV). O estudo constatou que há uma diminuição progressiva nas taxas de gestação e um aumento progressivo nas taxas de abortamento de acordo com o aumento do IMC. A outra conclusão é que a obesidade dificulta a gravidez e que as pacientes obesas ou com sobrepeso devem reduzir o peso antes de submeter-se a uma Fertilização in Vitro (FIV).

A pesquisa, realizada pelos ginecologistas e especialistas em Reprodução Humana, Vinicius Medina Lopes, Jean Pierre Barguil Brasileiro e Natália Zavattiero, do Instituto Verhum, em Brasília, concluiu que a possibilidade de engravidar diminui quando a mulher sofre de obesidade e, ao mesmo tempo, quando ela consegue engravidar as chances de uma aborto aumentam.

Obesidade dificulta a gravidez

É recomendado que a mulher obesa que deseja engravidar, emagreça antes do processo. FOTO: Shutterstock

É recomendado que a mulher obesa que deseja engravidar emagreça antes do processo. FOTO: Shutterstock

“A recomendação para as mulheres com obesidade ou sobrepeso que vão iniciar um tratamento para engravidar é que elas percam peso antes”, explica o médico Vinicius Medina Lopes, diretor do Instituto Verhum e um dos responsáveis pela pesquisa. “A obesidade causa irregularidade nos ciclos menstruais, diminuição de ciclos ovulatórios e compromete a capacidade reprodutiva. Por isso, a mulher que deseja ter filhos e está acima do peso deve buscar orientação médica e nutricional antes de iniciar o tratamento”, esclarece o médico Jean Pierre Barguil Brasileiro, diretor do Instituto Verhum e também responsável pela pesquisa.

Dados do estudo

No estudo, as mulheres com peso normal que se submeteram ao tratamento de fertilização apresentaram uma taxa de gravidez de 54,8%. Esse índice entre as mulheres com sobrepeso ficou em 45,9%. Já as mulheres obesas tiveram apenas 40,9% de taxa de gravidez nos ciclos de fertilização in vitro realizados.

Nas mulheres com peso normal, as taxas de abortamento espontâneo ficaram em torno de 13,8%. Dentre as mulheres com sobrepeso, o índice ficou em 17,8%. Já nas pacientes obesas, essas taxas foram de 66,6%.

Uma pessoa com Índice de Massa Corporal (IMC) acima de 30 é considerada obesa. O IMC é calculado dividindo-se o peso da pessoa em quilos por sua altura ao quadrado. Para a realização da pesquisa, as pacientes foram divididas em três grupos de acordo com seu IMC. Um dos grupos era de pacientes com IMC menor ou igual a 25, ou seja, com o peso normal; o outro era formado por pacientes com sobrepeso e IMC entre 26 e 30. O terceiro grupo era de pacientes com IMC superior a 30, aquelas que sofrem de obesidade.

Obesidade e infertilidade feminina

O excesso de peso também influencia o ciclo menstrual da mulher. FOTO: Shutterstock

O excesso de peso também influencia o ciclo menstrual da mulher. FOTO: Shutterstock

A obesidade dificulta a gravidez porque o excesso de peso afeta o processo de ovulação. A produção de estrogênio, hormônio sexual feminino, está associada à gordura corporal e o seu excesso no organismo causa um desequilíbrio hormonal e diminui as chances de engravidar naturalmente.

Além de causar infertilidade, elevar as taxas de aborto e aumentar os riscos da gravidez, a obesidade pode causar complicações sérias, colocando a vida da mãe e do bebê em risco durante e após o parto. Mulheres obesas apresentam um risco muito maior de partos prematuros, hipertensão arterial, diabetes relacionada à gestação e pré-eclâmpsia. Essas mulheres também apresentam, com mais frequência, infecções de feridas cirúrgicas e complicações anestésicas.

 

Texto: Redação Alto Astral | Consultoria:  Jean Pierre Barguil Brasileiro e Vinicius Medina Lopes, médicos e diretores do Instituto Verhum

 

LEIA TAMBÉM: